A Comissão de Meio Ambiente (CMA) do Senado aprovou projeto (PLS 92/2018) que prevê a retirada gradual do plástico da composição de pratos, copos, bandejas e talheres descartáveis no Brasil (…)

Descartáveis x Biodegradáveis:
Luta contra plástico ganha reforços

Adriana Giachinni, em colaboração para o Correio Popular. 11/07/2019 às 11h50

 

A Comissão de Meio Ambiente (CMA) do Senado aprovou projeto (PLS 92/2018) que prevê a retirada gradual do plástico da composição de pratos, copos, bandejas e talheres descartáveis no Brasil. Pelo texto, no prazo de dez anos, o País deverá utilizar somente materiais biodegradáveis, que se decompõem em um prazo de até 180 dias, ao passo que o plástico derivado do petróleo pode demorar até 300 anos.

Em 2018, o Rio de Janeiro se tornou a primeira capital do País a ter uma lei proibindo o uso de canudos plásticos. No mês passado, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), sancionou lei que proíbe estabelecimentos comerciais de fornecerem canudos plásticos. Os descartáveis de uso único estão igualmente na mira das administrações municipais por todo o País.

Reciclagem no País está abaixo da média mundial

De acordo com o Banco Mundial, o Brasil é o 4º maior produtor de lixo plástico no mundo, com 11,3 milhões de toneladas por ano, ficando atrás apenas dos Estados Unidos, China e Índia. Do total gerado, cerca de 91% são coletados, mas apenas 1,28% é efetivamente reciclado, percentual bastante inferior à média global de 9%.

Por este motivo, segundo ambientalistas, é extremamente importante a troca do plástico petroquímico pelo biodegradável de origem renovável, num processo que irá reduzir o plástico encaminhado a aterros sanitários e no encurtamento do ciclo de vida desse produto.

fonte: http://correio.rac.com.br/_conteudo/2019/07/campinas_e_rmc/847501-luta-contra-plastico-ganha-reforco.html